Ford revela reestilização do seu clássico Mustang


Mustang divulgacao

A Ford revelou há poucos dias a nova reestilização do Mustang. Três anos depois de sua “transformação” em veículo global, o tradicionalíssimo pony car teve seu motor V8 retrabalhado, abandonou o V6, adotou propulsor EcoBoost 2.3 revisado e transmissão automática de 10 velocidades. Deve chegar ao Brasil em 2018 – pelo menos é o que todos esperam.

Quanto ao visual, a fabricante tentou limar as polêmicas que envolveram a versão prévia, taxada nos Estados Unidos de “Fusion cupê”. No entanto, muitos também torceram o nariz para as alterações realizadas no modelo 2018. O facelift traz um Mustang, digamos, um pouco triste, deprimido. O pessoal aqui da redação, por exemplo, ficou dividido.

A dianteira não tem o ar carrancudo usual. Os faróis postados – numa linguagem cinematográfica – em plongée não denotam imponência, mas sim inferioridade e melancolia. Ambos convergem para a grade redesenhada, que em nada ajuda na composição de um visual agressivo, digno de um pony car da estirpe do Mustang. Não fossem estas alterações, o capô, mais baixo, funcionaria em termos de design. Contudo, só ajuda o possante a ficar mais tristonho.

E os prós

Mas espere! Nem tudo são espinhos no Mustang 2018. Temos flores, muitas flores. As alterações fizeram com que o coeficiente de arrasto fosse reduzido, o que, por conseguinte, otimiza a performance aerodinâmica do modelo. De acordo com a montadora, o pony car também está mais equilibrado e apresentará melhor desempenho nas curvas e em altas velocidades – muito por conta da oferecida suspensão MagneRide.

Em termos visuais, a traseira pode não ter passado por tantas alterações, mas ficou mais robusta, digna de Mustang. Destaque para as lanternas, mais estilizadas depois do facelift. No interior, o acabamento parece ter melhorado. O volante revestido em couro conta com opção de aquecimento e os bancos receberam novos revestimentos.

O painel de instrumentos digital pode ser personalizado e o motorista tem a possibilidade de registrar suas configurações preferidas de direção e suspensão, por exemplo. A versão GT do “Mustangão” dá ao condutor a possibilidade de “afinar” o motor ao seu gosto, graças ao sistema de válvula ativa de escape, que faz com que a potência sonora seja modificada.

Por falar em motor, o propulsor EcoBoost terá um ganho de torque significativo, pelo menos em alguns momentos – cortesia da função overboost. O V8 teve a taxa de compressão aumentada e trabalhará em rotações mais altas. Segundo a montadora, haverá considerável ganho de potência. O Mustang equipado com o EcoBoost tem ponteira dupla de escape. Já o V8 conta com quatro saídas.

Segurança

O Mustang 2018 passou por melhorias na rigidez lateral e ganhou novas barras estabilizadoras. Além disso, o condutor conta com alerta prévio de colisão (com detecção de pedestres), frenagem de emergência, aviso de distância segura entre veículos e de manutenção dentro da faixa. Para completar, por meio do sistema de infotenimento SYNC 3, o motorista é capaz de dar a partida no veículo e até mesmo localizá-lo de maneira remota (o que é ótimo para os que sempre esquecem em qual vaga estacionaram o carango).

O pony car reestilizado chega ao mercado norte-americano em setembro deste ano. A previsão é de que, enfim, teremos o cupê esportivo mais vendido do mundo por aqui no primeiro semestre de 2018.